quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Pra quem votou no Pior Salario Do Brasil - Mais uma campanha do Governo de Minas - Vote!

Pesquisa sobre o portal do Governo de Minas

O que você acha do Portal http://www.mg.gov.br/? Participe da pesquisa entrando no link abaixo:

https://www.surveymonkey.com/s/CP2Pesquisas1

A sua participação é de extrema relevância para que os serviços prestados pelo Portal possam atender cada dia melhor os cidadãos mineiros.

Exerça sua cidadania!!!

Oficiais e Delegados, os privilegiados

Uma crítica corrente nas discussões vigentes no baixo escalão das polícias diz que oficiais (para as polícias militares) e delegados (para as polícias civis, federal e estaduais), são privilegiados pelos governos. Trata-se de uma afirmação que atinge os brios daqueles que ocupam cargos de chefia e, ainda assim, possuem uma série de reclamações a fazer do tratamento dispensado pelo governo. Onde está, então, a razão? São os agentes e praças realmente maltratados em relação aos oficiais e delegados, ou estes últimos estão “no mesmo barco” que os primeiros?

Faz-se necessário dizer que diferenças salariais e funcionais não são privilégios: é natural e desejável que a remuneração seja distribuída conforme o grau de responsabilidade do cargo. Além disso, determinadas funções só devem ser exercidas por quem ocupa determinado cargo. Por exemplo, ser chefe de uma delegacia exige certa formação, e atribui ao profissional determinadas responsabilidades. Não se pode admitir que alguém não formado para tal função a exerça, pois perde-se nos resultados, e se estará atribuindo responsabilidades maiores que a remuneração do servidor. Ou seja, as diferenças funcionais e remuneratórias são indispensáveis.

Assim, para analisar a existência ou não de privilégios, cabe analisar não as diferenças absolutas, mas as relativas. Deve-se aferir não se um tenente ganha mais que um soldado, mas se o soldado recebe aumento na mesma proporção que o tenente, por exemplo. A diferença salarial entre o agente de primeira classe em relação ao de segunda é proporcional à diferença entre o delegado de primeira classe em relação ao de segunda? Como se dá o fluxo de promoções? Um cabo é promovido a sargento na mesma proporção que um capitão a major? A capacitação dos escalões inferiores está proporcionalmente alinhada com a capacitação dos superiores?

Respeitadas as variações locais, provavelmente as medidas apontarão diferenças de tratamento. Os governos, por limitações orçamentárias, falta de vontade e até inabilidade administrativa, sempre serão seduzidos a conquistar o todo pela parte. “Ora”, pensam os gestores políticos, “se podemos garantir benesses a apenas quinze por cento de uma corporação, fazendo com que estes privilegiados estabilizem toda a maioria, por que ter mais gastos?”.

Naturalmente, este contexto não se estabelece de maneira clara e didática como aqui explicitamos. Existem individualidades, discordâncias e adaptações. Também não significa que os “privilégios” são para uma minoria tão grande como os quinze por cento que sugerimos – na prática, até mesmo a maioria dos oficiais e delegados têm muito que reclamar (e os governos querendo reduzir cada vez mais o número de afilhados).

Neste ambiente, cada um assume o papel que acha conveniente, pragmática, ética e moralmente: denuncia os privilégios e age contra a justiça institucional; satisfaz-se com o que lhe é concedido, mesmo sendo injusto; se conforma, ensaiando eternamente revoltas que não passam do discurso; muda de emprego; procura vias de positivação profissional etc. No fim das contas desta multiplicidade, as instituições policiais se mantêm.

Polícia civil realiza operação no Morro do Carmo. Duas pessoas foram presas e três quilos de entorpecentes, apreendidos.

Os policiais se reuniram na delegacia de Coronel Fabriciano ainda de madrugada. Nove mandados de busca e apreensão foram expedidos pela justiça. Policiais de todo o Vale do Aço foram divididos em nove equipes.

A operação começou às cinco e meia da manhã. Foi a maior realizada este ano no Vale do Aço. Cerca de 35 agentes subiram o Morro do Carmo em busca do traficante mais perigoso da cidade. De acordo com o delegado, Gustavo Cecílio, o principal alvo da operação é o Marcelo Pato e ele é tido como o dono do morro. É o maior traficante e há envolvimento dele com homicídios.


O comboio seguiu pelas ruas estreitas do bairro. As sirenes das viaturas estavam desligadas para evitar que os procurados fugissem. Em poucos minutos, a casa que seria de Marcelo Napoleão foi localizada.


Os policiais encontraram um binóculo. Com a vista privilegiada na janela da casa, seria possível vigiar qualquer movimentação no bairro. Marcelo, de 32 anos, recebeu o apelido de 'pato' por causa da criação de aves que a mãe dele tem no quintal. E foi lá que os agentes encontraram quase três quilos de maconha.
 
Veja o video e reportagem completa em IN360 - GLOBO 

Juízes de todo o país ‘cruzam os braços’ nesta quarta. Será que vao declarar a greve deles como ilegal?

Juízes federais e trabalhistas anunciam para esta quarta (30) paralisação de um dia. Cruzam os braços sob críticas da cúpula do Judiciário e da OAB.
Reivindicam sobretudo reajuste salarial. Alegam que, considerando-se a evolução da inflação, seus contracheques estão defesados em pelo menos 22%.
As perdas eram maiores –32% nos últimos seis anos. Mas a magistratura foi reajustada em quase 9% no ano de 2009.
Os vencimentos dos juízes não podem ser tratados isoladamente. Eles integram uma carreira cuja folha está limitada pelo pé-direito do STF.
Situados no teto da cadeia remuneratória do serviço público, os ministros do STF recebem R$ 26,7 mil. Entre os juízes, o salário mais alto é de R$ 24,1 mil.
Os ministros do Supremo reivindicam reajuste de 14,79%. Algo que elevaria seus contracheques para R$ 30,6 mil.
Com isso, a remuneração dos juízes no topo da carreira seria içada para patamares pouco acima dos R$ 27,6 mil.
O problema é que o pedido de aumento do STF veio acompanhado de uma pauta que inclui aumento de 56% para os servidores do Judiciário.
O Ministério do Planejamento foi à calculadora. Estimou que, levando-se em conta o efeito cascata, o tônico salarial da Justiça custaria ao Tesouro R$ 7,7 bilhões.
A cifra corresponde a quase metade do que o governo espera destinar ao Bolsa Família em 2012. Dilma Rousseff torceu o nariz. E contrapôs as togas aos pobres.
Disse: atendendo ao Judiciário, o Executivo "prejudicaria a efetiva implementação de políticas essenciais, como as de saúde, educação e redução da miséria."
Caberá ao Legislativo, às voltas com a análise do Orçamento da União para 2012, decidir se inclui nas previsões de gastos a verba reivindicada pelo Judiciário.
É contra esse pano de fundo impregnado de veneno que os juízes realizam a paralisação de um dia. Além de salário, pedem coisas como melhoria das condições de trabalho e segurança.
Talvez não obtenham o que desejam. E correm o risco de irritar a clientela. A paralisação levará ao cancelamento de milhares de audiências em todo país.
Apenas na Justiça do Trabalho, estima-se que terão de ser reagendadas cerca de 20 mil audiências.
- O blog no twitter

Polícia de São Paulo prende ex-policial militar acusado de ser um assassino em série



VEJA TAMBEM

"Um serial killer não pode sair da cadeia nunca mais", afirma Pimentel

Sequestrador processa vítimas por "terem quebrado promessa" de protegê-lo da polícia

Jesse Dimmick odeia desonestidade... dos outros
  • Jesse Dimmick odeia desonestidade... dos outros
O casal Jared e Lindsay Rowley, que vive no Estado Americano do Kansas, foi sequestrado e ameaçado de morte, em 2009, por um bandido, acusado de homicídio, que fugia da polícia. Dois anos depois, os Rowley estão sendo processados pelo sequestrador.

Jesse Dimmick, que está preso atualmente, alega que o casal quebrou um contrato verbal e, por causa disso, pede US$ 235 mil na Justiça.

Segundo a lógica deturpada de Dimmick, o casal concordou em escondê-lo da polícia em troca de dinheiro. No entanto, o trato não foi cumprido e o bandido acabou baleado nas costas pelos policiais.

Por causa do ferimento, Dimmick quase morreu e teve de gastar US$ 160 mil em despesas médicas, dinheiro que ele alega não ter como pagar.

O casal alega que não fez nenhum acordo com o bandido. E mesmo se tivesse feito, o contrato verbal não teria nenhum valor já que foi combinado em uma situação de estresse, afinal Dimmick ameaçava o casal com uma faca.

Os Rowley esperam que o processo seja recusado pela Justiça local.
 
Segundo um vizinho, após a invasão o casal ganhou a confiança de Dimmick já que comeram juntos e até mesmo assistiram a um filme. Quando o bandido cochilou, os Rowley fugiram de casa e procuraram a polícia.

*Com informações do The Topeka Capital-Journal

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Quadrilha que aplicava "golpe do consórcio" causou prejuízo de mais de R$ 1 milhão na Grande BH

Uma quadrilha de estelionatários que comandava uma empresa que aplicava o “golpe do consórcio” causou prejuízo estimado em mais de R$ 1 milhão em Belo Horizonte e na região metropolitana. Os quatro homens, entre eles o dono da companhia, foram apresentados nesta terça-feira (29) na Divisão Especializada de Investigação de Crime Contra o Patrimônio (DICCP).

De acordo com a Polícia Civil, a quadrilha foi detida na sede de empresa, no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul da capital. Eles anunciavam o consórcio em jornais, oferecendo uma carta de crédito no prazo de 30 a 90 dias.

As vítimas pagavam à vista ou faziam um depósito em uma conta bancária com a taxa de administração da carta e uma primeira parcela. Quando o prazo acabava, a carta de crédito não chegava. Os estelionatários ainda tentavam explicar a situação, dizendo que ela havia sido cancelada, e ofereciam outra carta, com um valor mais alto.

Segundo a PC, 18 vítimas foram identificadas, mas outras pessoas também podem ter sido enganadas. Os detidos, três deles com passagem pela polícia por estelionato, foram levados para o Centro de Remanejamento de Presos (Ceresp) São Cristóvão.

Duas quadrilhas foram presas em Goiânia acusadas de aplicar o golpe do cartão de crédito




Bom Dia GO

Polícia Civil do Maranhão adere à greve de militares e bombeiros


Jornal Globo News

Polícia Civil desarticula grande laboratório de refino de droga em conjunto de classe média alta em Manaus

Policiais civis da Delegacia Especializada em Prevenção e Repressão a Entorpecentes (Depre) cumpriram hoje (29), por volta das 6h, mandado de busca e apreensão em uma residência, localizada no Conjunto Vila da Barra, 52, situada à Avenida Mário Ypiranga Monteiro (antiga Rua Recife), bairro Parque Dez de Novembro, Zona Centro-Sul. O mandado foi representado pela especializada, sendo acatado e expedido pela Juíza de Direito, Lídia de Abreu, da 1ª Vara Especializada em Crimes de Uso e Tráfico de Entorpecentes (Vecute).

Na residência foram apreendidos aproximadamente 15 quilos de cloridrato de cocaína, material para o preparo da droga e uma pistola, calibre 380, municiada, a arma foi encontra em um dos quartos. No local ninguém foi encontrado. Segundo o delegado titular da Depre, Divanilson Cavalcanti, foi um mês de investigação e serviço de inteligência, partindo de uma denúncia anônima, informando que um homem, identificado por Fábio Diego, possuía um laboratório de droga em uma residência, no Conjunto Vila da Barra. A casa estava alugada, desde abril deste ano, para Diego Velasquez de Souza Rocha. Informou ainda que as investigações irão continuar, com o objetivo de localizar o dono da droga.

Polícia prende quatro suspeitos da morte de ex-secretário de Maringá

Do G1 PR VEJA TAMBEM NO SITE DO FABIO CAMPANA

Quatro suspeitos de envolvimento na morte do ex-secretário da Fazenda do município de Maringá, no norte do Paraná, Luiz Antonio Paolicchi, foram presos na madrugada desta terça-feira (29) em Paranavaí. De acordo com a polícia, o companheiro de Paolicchi encomendou o sequestro da vítima a outras três pessoas, no entanto o ex-secretário acabou morto.

O crime ocorreu no dia 27 de outubro. O corpo de Paolicchi foi encontrado no porta-malas de um veículo abandonado, no município de Floriano, com várias marcas de tiros. O delegado Nagib Palma, à época, afirmou acreditar em execução. “No carro não há nenhum sinal de tiros, então provavelmente ele foi morto fora do carro e colocado no veículo. No local onde estava o carro ninguém escutou barulho de disparo”, disse.

A polícia informou que o companheiro de Paolicchi teria por objetivo conseguir dinheiro com o resgate do sequestro. O que motivou a morte foi o fato da vítima ter reagido. Segundo a polícia, os suspeitos confessaram o crime verbalmente. Eles devem assinar um documento com a confissão em um cartório de Maringá, para onde foram transferidos.

Desvios

O ex-secretário respondia processo por desvios na ordem dos milhões de reais da prefeitura de Maringá, quando participou da gestão do ex-prefeito Jairo Moraes Gianoto. Os dois foram acusados de ser responsáveis por um dos maiores desvios de dinheiro público no Paraná.

Na década de 90 Paolicchi foi condenado. Em 2010 respondia em liberdade e foi obrigado a devolver R$ 500 milhões aos cofres públicos.

VEJA O VÍDEO NO G1

Polícia Civil lança sistema para centralizar todas as ocorrências do DF

Thalita Lins Publicação: 29/11/2011 12:43 CORREIO BRASILIENSE
 

A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) lançou nesta terça-feira (29/11) o projeto Polaris, que vai centralizar todas as ocorrências registradas em delegacias do DF. O sistema é o primeiro no Brasil e foi desenvolvido em quatro meses pela Divisão de Informática da PCDF. A Direção-Geral da corporação informou que a previsão é que a partir de fevereiro de 2012 todas as unidades já estejam com o Polaris ativo. A atualização das informações será feita de 15 em 15 minutos.

A novidade é que vão ser anexadas ao Polaris as ocorrências registradas nas delegacias da Criança e do Adolescente (DCAs). A partir da implementação do sistema, os casos, que antes não eram acessados pelas demais delegacias, passam a ser de conhecimento de todas as DPs. Por enquanto, o Polaris está em fase de testes e só é utilizado pela Divisão de Inteligência da PCDF.

A PCDF informou que foram investidos R$ 1,2 milhão na criação do sistema. Os policiais serão treinados a lidar com o Polaris.

Polícia Civil busca acusados de extorsão e homicídios em Itaboraí



POR LUARLINDO ERNESTO para O DIA ONLINE




Rio - Policiais da delegacia de Itaboraí (71ª DP) deram início, na manhã desta terça-feira, a uma operação contra uma quadrilha de agiotas que realiza extorsão e homicídios naquela região. A Operação Águia de Itambi prendeu, até o momento, o chefe do bando, Osmar Raimundo da Costa, de 50 anos, e seu filho, Cássio Gabriel da Costa, de 25 anos. Os agentes também detiveram um homem conhecido como 2000, e encaminhado para a delegacia para identificação. Osmar da Costa, outro filho de Osmar Raimundo, está sendo procurado pela polícia.

Na casa do chefe da quadrilha, no bairro de Itambi, em Itaboraí, os agentes apreenderam grande quantidade de documentos, ouro, cheque de terceiros, além de uma Picape Hilux, placa 3049, de propriedade de Osmar Raimundo. A ação visa cumprir três mandados de prisão temporária de 30 dias, e cinco de busca e apreensão, expedidos pela Vara Criminal daquele município.

As investigações tiveram início em abril último, quando  Paulo Ribeiro, morador de Itaboraí, foi morto com um tiro na cabeça. Segundo o delegado, Paulo foi assassinado por estar em dívida com a quadrilha de agiotas. A ação conta com agentes da Coordenadoria Regional de Polícia do Interior de São Gonçalo e da 70ª DP (Tanguá). O nome da operação é explicado pela prática dos agiotas de colocar águias em cima dos telhados das casas que passavam a "pertencer" aos criminosos.

PCMG FAZ A APRESENTAÇÃO DOS PRESOS: Polícia prende oito suspeitos de homicídios na Grande BH




MGTV 2ª Edição

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Polícia descobre esquema comandado de dentro da Nelson Hungria, prende 14 e apreende 20 kg de droga

FOTO: DIVULGAÇÃO/POLÍCIA CIVIL
Foram apreendidas armas, dinheiro, drogas, entre outros materiais
Vinte quilos de cocaína e crack foram apreendidos pela Polícia Civil durante realização de uma operação batizada de Fenômeno. Segundo dados apresentados nesta segunda-feira (28), a droga era trazida de São Paulo e repassada para quatorze pessoas, entre mulheres e homens, que revendiam os entorpecentes em diferentes pontos de Belo Horizonte.

De acordo com a investigações, o esquema era comandado de dentro da penitenciária de segurança máxima Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana da capital mineira, por dois detentos. Além deles, os 14 envolvidos no esquema foram apresentados nesta tarde.


Segundo a polícia, o negócio ilegal movimentava 25kg de drogas por mês, com um rendimento de quase R$ 250 mil. O esquema foi descoberto após quatro meses de investigações.


Conforme a polícia, os detentos usavam celulares e as visitas para esquematizar a venda da cocaína e do crack. De acordo com o delegado Marcos Alves, “a namorada de um deles era a mula, ou seja, a pessoa que fazia a entrega das drogas”.


Além da droga, com os suspeitos presos a polícia conseguiu apreender R$ 1.990 em dinheiro, um caderno com a contabilidade do tráfico e duas pistolas, uma .40 e uma 9 milímetros, além de dois carros e uma moto.

PCMG: Presos em motel com vinte quilos de cocaína

26 de novembro de 2011
Tiago Borges - TV Alterosa
Reprodução TV Alterosa
Vinte e dois quilos de pasta-base da droga foram apreendidos

Três homens foram presos em flagrante por tráfico de drogas em um motel às margens da BR-116, em Governador Valadares, Região Leste do estado. Com eles, a polícia apreendeu 22 quilos de pasta-base de cocaína.

Presos em flagrante e drogas apreendidas: veja fotos!

Agora a polícia investiga a possível relação entre a ocorrência de hoje e a apreensão de drogas ocorrida há cerca de dez dias na mesma cidade.

VEJA O VIDEO NO SITE DA ALTEROSA

PCMG: Polícia faz operação para prender suspeitos de homicídio




MGTV 1ª Edição

Polícia prende oito suspeitos de envolvimento com homicídios em Ibirité 

Segundo a Polícia Civil, os criminosos vinham agindo em parceria com grupos das cidades de Betim, Contagem, e do Barreiro, em Belo Horizonte

Andréa Silva - Aqui Cristiane Silva
Publicação: 28/11/2011 12:14 Atualização: 28/11/2011 12:29

Os crimes envolviam as duas gangues e eram motivados por vingança ou disputas entre os traficantes (Paulo Filgueiras/EM/D.A Press)
Os crimes envolviam as duas gangues e eram motivados por vingança ou disputas entre os traficantes

PCSP: Polícia desmantela quadrilha de roubo de cargas em Campinas




Bom Dia São Paulo

Polícia Civil de Minas Gerais prende homem acusado de tráfico no Santa Luzia

Uma equipe composta por três investigadores da Polícia Civil chefiados pelo Delegado Dr. Marcos Pimenta, prenderam no início da tarde deste sábado (26), um jovem de 18 anos acusado de tráfico de drogas e envolvimento com roubos na cidade. Segundo levantamentos da polícia, o autor estava traficando na própria residência e aproveitava os finais de semana para intensificar suas vendas.

Após receberem denúncia de que o autor P. H. O S., 18 anos estava traficando e praticando roubos na cidade, investigadores da Polícia Civil passaram a fazer campana próximo à residência do suspeito na rua Rio Tietê no bairro Santa Luzia onde confirmaram a movimentação intensa de usuários de drogas.


No início da tarde deste sábado, os policiais invadiram a casa e prenderam o autor em flagrante. Diante de testemunhas os policiais civis encontraram uma balança de precisão, pouco mais de R$ 300,00 em dinheiro e enterrado no quintal, um embrulho com 700 gramas de maconha e outro pacote contendo 52 gramas de cocaína.


O autor foi preso em flagrante e levado para o presídio do Aclimação. A polícia ainda irá apurar a participaçao do autor em outros roubos ocorridos na cidade.

PCMG: 9ª Região Integrada de Segurança Pública em Uberlândia (RISP) tem novo delegado




MGTV 1 – TV Integração

SERVIÇÃO POLICIA CIVIL DO ESTADO DE SAO PAULO: 7 TONELADA DE MACONHA APREENDIDOS EM FAZENDA NA REGIAO DE BAURU




TEM Noticias 2ª Edição – Bauru/Marília

Polícia Militar prende homem com droga, mas Polícia Civil não o autua em flagrante

Em Santa Rita do Sapucaí, a Polícia Militar após várias denúncias via 190, de que estaria ocorrendo tráfico e consumo de drogas em um Campinho de Futebol localizado no Bairro Vila Operária, e eu quem estaria fornecendo a droga seria um cidadão conhecido no meio policial, com diversas denúncias de Tráfico e Roubo nesta cidade, que este cidadão estaria em uma motocicleta cinza.

Diante do fato a Polícia Militar deslocou até o referido local, onde pode constatar a veracidade das denúncias, porém quando a viatura policial se aproximou, um dos indivíduos arremessou algo em direção a uma vegetação ao lado de onde estavam. Foi dada ordem de parada aos cidadãos e realizada busca pessoal, porém nada de ilícito foi localizado com os mesmos. O cidadão que arremessou o objeto foi identificado como LEANDRO ALVES PEREIRA, VULGO: BOROGA.

Os policiais então realizaram busca no local em que Boroga havia lançado o objeto, sendo localizado um invólucro branco, contendo Maconha.

E.M.S. alegou que estava na MOTOCICLETA HONDA CG TITAN 150KS, Cinza, placa: HIL-4409. Foi feito contato com a proprietária da motocicleta R.S.R. que alegou que seu filho D.R.S. pegou a referida motocicleta sem sua permissão e emprestou ao E.M.S..

A motocicleta foi entregue a proprietária a qual é habilitada e foi lavrado a multa.

Foi dada voz de prisão em flagrante a LEANDRO ALVES PEREIRA, sendo que há inúmeras denúncias de tráfico de drogas envolvendo o mesmo, existem também diversos BOS`s referentes ao fato. Leandro foi conduzido a Delegacia de Policia Civil de Pouso Alegre, porém não foi autuado em flagrante pela Delegada de Plantão.

COMENTARIO DO BLOG:  O País em que nao se sabe a diferença de PM e PC... Um Estado onde Oficial da PM é carreira jurídica e ainda tem soldado-delegado com atribuições de Delegado de Polícia. Vão estudar gente... ainda tem Faculdade de Direito de qualidade nesse país.

Quadro deficitário da Polícia Civil do Acre obriga delegado a trabalhar como escrivão

28 de novembro de 2011 - 8:01:43

A questão do efetivo de agentes de Polícia Civil nas delegacias de polícia de Rio Branco tem sido o motivo de denuncias e reclamações em todas as unidades da capital. Os delegados cobram a realização de um concurso público para suprir as necessidades de servidores em diversas áreas, principalmente no atendimento á população, onde segundo os plantonistas, faltam agentes para fazer investigações e até mesmo dirigir viaturas.

O delegado plantonista da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (DEAM), Saulo Ribeiro disse que a situação no atendimento as mulheres não é diferente. De acordo com Ribeiro, o concurso público que estaria previsto para a Polícia Civil teria sido prorrogado de 2010 para 2011, mas corre risco de não acontecer, já que até o momento, o Governo do Acre não sinaliza com a abertura de inscrições.

Em relação ao concurso público, o secretário de Polícia Civil, Emylson Farias destacou que a Procuradoria Geral do Estado (PGE), estaria confeccionando o edital que deverá ser lançado até o final de 2011. “Realmente existe uma defasagem no quadro de agentes, mas trabalhamos com planejamento. Até maio do ano que vem 50 policiais estarão aptos a se aposentar e, nós próximo cinco anos, mais 300. Portanto, temos que fazer um concurso que atenda a estas necessidades”, diz Farias.

Veja reportagem completa no site AC24HORAS

Agora é a vez do Maranhao: Governo garante carreira jurídica a delegados


O Maranhão é a nona unidade da federação brasileira a inserir seus delegados de polícia na carreira jurídica do estado. O texto final do Projeto de Emenda à Constituição do Estado do Maranhão foi fechado neste sábado (26) e apresentado à cúpula da Polícia Civil no mesmo dia. Nesta segunda-feira (28), vai ser encaminhado à Assembléia Legislativa.

Acompanhados do secretário de Segurança, Aluísio Mendes, estiveram na reunião de apresentação do texto final da PEC a delegada-geral da Polícia Civil do Maranhão, Teresa Cristina Rezende; delegado-geral adjunto, Marcos Moreira Afonso Júnior; Superintendente de Polícia da Capital, Sebastião Uchoa; superintendente estadual de Investigações Criminais, Augusto Barros Neto; e secretário Adjunto de Segurança Pública, Laércio Costa.

O secretário Aluísio Mendes destacou que a inserção dos delegados de polícia na carreira jurídica do estado é um ato de reconhecimento da governadora Roseana Sarney (PMDB). Disse, ainda, que a PEC não implica em um novo aumento salarial e nem qualquer tipo de isonomia a outras carreiras jurídicas.

“Trata-se de um reconhecimento há tempos sonhado pela categoria”, destacou. Já integram a carreira jurídica do Estado os procuradores e os defensores públicos.

PCDF põe fim a sequestro iniciado em Mato Grosso

Quatro homens foram presos, acusados de extorsão e cárcere privado de um gerente de posto de gasolina, localizado, ontem, no Jardim Ingá (GO)

     Nelson araújo naraujo@jornalcoletivo.com.br  Redação Jornal Coletivo
Fabiano, Diego e Edemar permanecerão presos em Brasília, apesar de o fato ter ocorrido em Cuiabá, onde existe outra investigação Fotos: BritoFabiano, Diego e Edemar permanecerão presos em Brasília, apesar de o fato ter ocorrido em Cuiabá, onde existe outra investigação
Durante a manhã de hoje, o diretor-geral da Polícia Civil do DF, Onofre Moraes, e o diretor da Divisão de Repressão a Sequestros, Leandro Ritt, apresentaram três ­homens acusados de serem os autores do sequestro do gerente de um posto de gasolina de Cuiabá (MT), trazido para uma chácara no Jardim Ingá, Entorno do DF, onde foi mantido sob cárcere privado. O crime ocorreu no dia 16 de novembro na capital matogrossense, tendo as investigações iniciadas no dia 22 no Distrito Federal. Na última sexta-feira, foi efetivada a prisão dos bandidos.

O caso teve início após o gerente do posto de gasolina ter indicado um amigo para fazer negócio com um traficante, ainda desconhecido. O amigo teria a responsabilidade de adquirir 15 kg de cocaína e pela droga recebeu R$ 80 mil do traficante. No entanto, ao receber o dinheiro, fugiu. A partir disso, o gerente do posto passou a ser ameaçado pelo traficante, que passou a cobrar o pagamento do prejuízo, culminando no sequestro, do dia 16.

Diego dos Santos e Fabiano Fernandes Scapim trouxeram a vítima de carro até uma chácara no Jardim Ingá. A família da vítima passou a receber telefonemas ameaçadores pedindo o pagamento do resgate. No cativeiro, Edemar de Oliveira Guedes, Eunatan Lima Torres e um terceiro integrante, que fugiu, mantinham a vítima sob cárcere privado. Durante a tarde do dia 25, Diego, Fabiano e Edemar foram presos. Eunatan foi baleado e levado ao hospital, onde segue com prognóstico estável.


Envolvimento de outros é investigado
Eunatan Lima, também acusado, foi ferido e já teve a prisão decretada na DRSEunatan Lima, também acusado, foi ferido e já teve a prisão decretada na DRS
Os quatro envolvidos no crime responderão por crimes de extorsão mediante sequestro, com pena de 12 a 20 anos de reclusão, e resistência, pena de até dois anos de retenção. Eles permanecerão presos na carceragem da PCDF, pois são moradores do DF. De acordo com Onofre, as investigações continuam no sentido de prender os demais envolvidos, pois a PCDF tem certeza que há uma quadrilha por trás do acontecido. Outros dados não foram divulgados a fim de não prejudicar as investigações.

UM GIRO POR ALGUMAS NOTICIAS DA PC PELO PAIS.

Peço desculpas ao leitores pelo atraso na atualização. Vamos sanar esse problema. Um abraço a todos. Atualização se fará do dia 25 de novembro até hoje. Vamos lá...

Policia Civil do Rio de Janeiro

Quadrilha do Detran: sobrinho de presidente da Alerj entrega-se à polícia 

Indicado por Paulo Melo, Nildo é apontado com um dos chefes do esquema

Apontado com um dos líderes da quadrilha que praticava fraudes em postos do Detran, Nildo Sá Ferreira se entregou à polícia. Ele é sobrinho do presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeirio (Alerj), deputado Paulo Melo (PMDB), ele era chefe das duas unidades de vistoria de Araruama (Região dos Lagos). A mulher do acusado, a certificadora de veículos Luciana Francisca Bronze, permanece foragida. CONTINUE LENDO - CLIQUE AQUI

--------------------------------------------------------

Ao visitar a filha, Danúbia foi localizada com informações do Disque Denúncia

-----------------------------------------------------------

Quadrilha de advogados causou rombo de mais de R$ 10 milhões com fraudes

-----------------------------

 Polícia Civil prende 18 suspeitos em operação contra violência doméstica

 

 

 Polícia Civil de São Paulo

Policial civil é sequestrado e assassinado em São Paulo

 Redação SRZD | Nacional | 26/11/2011 09h34

Um policial civil que trabalhava no 75º Distrito Policial do Jardim Arpoador, em São Paulo, foi morto durante a madrugada deste sábado após ser sequestrado por cerca de dez criminosos. De acordo com informações da Polícia Militar, os bandidos invadiram a casa do investigador, onde também estavam a mulher e os dois filhos do casal.

Já na madrugada, policiais encontraram o corpo do dentro de um carro perto da Rodovia Raposo Tavares, em Vargem Grande Paulista, região metropolitana de São Paulo. A divisão de homicídios investiga o caso e o trata como excução. Apesar disso, ninguém ainda foi preso.
Policia Civil do Ceará
 

O Fracasso da Segurança Pública do Dr. Cid



Com o título “Fracassso na segurança pública”, eis artigo publicado no O POVO deste sábado pelo professor, médico e antropólogo Antonio Mourão Cavalcante. Ele debulha uma estatística negativa contra o Programa Ronda do Quarteirão. Confira:

Não precisa ter mente privilegiada para lembrar que a campanha eleitoral de Cid Gomes – disputa pelo primeiro mandato – foi toda focada na questão da segurança pública. Prometeu que a violência ia ser combatida com garra, verbas e inteligência. Uma proposta que seria modelo para o País. Não deixava por menos.

Vamos entrar no sexto ano de aplicação desse modelo. E, as estatísticas não revelam o sucesso prometido. Em 2010, o Ceará foi o quarto Estado do Brasil que menos investiu em segurança pública. A área da Defesa Civil sofreu uma queda de 42,64% de investimentos, que passou de R$ 77 milhões para R$ 44 milhões, entre 2009 e 2010. CONTINUE LENDO - CLIQUE AQUI
 
Polícia Civil do Paraná
 

Policiais paranaenses vão aprender técnicas antiterrorismo espanholas - 27/11/2011 08:30

Técnicas antiterrorismo aplicadas na Espanha serão usadas por policiais civis no planejamento da segurança pública para a Copa do Mundo. O delegado-coordenador do Tático Integrado de Grupos de Repressão Especial (Tigre), Renato Figueiroa, participou de treinamento em Guadalajara, na Espanha. O curso é promovido pelo Corpo Nacional da Polícia Espanhola – uma das instituições mais bem-sucedidas no mundo em ações dessa natureza – e reuniu 25 policiais brasileiros e outros de países da América Latina.

Figueiroa explicou que o conhecimento adquirido será levado para os policiais que atuam em operações especiais, em preparação para a Copa do Mundo, considerando que a repercussão do evento pode motivar atividades terroristas. “Temos que adequar as técnicas antiterroristas à nossa realidade, para evitar qualquer ação que possa colocar em risco a segurança da população local e de turistas”.

 
Policia Civil de Santa Catarina
Tharcila Werlich - 25 de novembro de 2011 às 12:20
 
Grupo era comandado por detendo preso no Santa Augusta (Foto:Polícia Civil Criciúma, Colaboração:Polícia Civil Criciúma
Polícia Civil do Estado de Goias
 

Governador muda comandos das polícias Militar e Civil de Goiás

Marconi Perillo noticiou alterações na manhã desta sexta-feira (25). Foram mudados comandos da PM, da Polícia Civil e da Agência Prisional.

 Policia Civil do Penambuco

Polícia prende suspeito de dez assassinatos na região metropolitana de Recife

Policia Civil da Bahia

Preso suspeito de executar 35 pessoas em Cosme de Farias

Gilson Miseravão foi capturado pelos policiais numa fazenda, em Candeias



Acusado de 35 homicídios, Gilson Miseravão foi preso em Candeias

Baralho é atualizado com mais seis cartas 

---------------------------------

Veja tambem: 'Quatro de Paus' é preso ao tentar abusar de adolescente na BA

Baralho é atualizado  com mais seis cartas 
Policia Civil do Piaui

Civil prende grupo acusado de roubar carros e fazer arrastões

Uma quadrilha especializada em assaltos contra proprietários de veículos e arrastões em residências, principalmente na zona Leste e em cidades da região metropolitana de Teresina, foi desbaratada ontem pela Polícia Civil, durante investigações realizadas por policiais da Polinter, sob o comando do delegado Francisco das Chagas dos Santos Costa, o "Bareta".

Novas vagas em unidades prisionais do Estado. Nao seria mais uma promessa?

25/11/2011 - 20h36m
 
Minas Gerais deve receber cerca de R$ 110 milhões do governo federal para aplicar na ampliação e construção de novas unidades prisionais. O dinheiro vem do Programa Nacional de Apoio ao Sistema Prisional. Minas já teve a confirmação da quantia a ser recebida porque já entregou, com antecedência, o projeto de aplicação dos recursos à União. Com o dinheiro, serão criadas 3.500 novas vagas no Estado, sendo 1.300 delas destinadas especificamente para mulheres.


O total de unidades prisionais a serem construídas ainda não foi definido, assim como os locais das obras. Entretanto, de acordo com o secretário Lafayette Andrada, a tendência é que haja uma interiorização das novas unidades prisionais, uma vez que a Unidade Público-Privada (PPP), em fase de construção em Ribeirão das Neves, já beneficia a Região Metropolitana com 3.300 vagas.
-Nossa intenção é dividir estas 3.500 novas vagas criadas pelo apoio do novo programa do governo federal para as regiões da Zona da Mata e do Sul de Minas.

O dinheiro oferecido pelo Ministério da Justiça deve ser utilizado especificamente para a ampliação e construção de unidades. O Estado entrará com a contrapartida de manutenção dos locais e contratação de agentes penitenciários.

Plano Nacional de Apoio ao Sistema Prisional

A proposta do plano lançado pelo Ministério da Justiça é zerar o déficit de vagas femininas até 2014 e diminuir o total de presos sobre a custódia da Polícia Civil. Minas Gerais, somente neste ano, assumiu cerca de 20 cadeias, devolvendo aos policiais sua função judiciária.


Pelos planos do Ministério da Justiça seriam criadas, em todo o Brasil, 15 mil vagas para mulheres - o que praticamente acabaria com a superlotação em presídios femininos - e 27,5 mil vagas em cadeias masculinas destinadas a presos que ainda aguardam julgamento final de seus processos.

 

Juiz que combateu máfia: Brasil precisa de polícia independente

O juiz Roberto Scarpinato, um dos principais magistrados da Itália que atuou no combate às organizações mafiosas, esteve em São Paulo na última semana e falou sobre seu trabalho contra o crime organizado e sobre a "vitória" da Itália sobre a máfia siciliana. Protegido por seguranças, ele destacou como principal fator de sucesso, diferentemente do que ocorre no Brasil, a atuação de uma polícia judiciária independente, controlada pelo Judiciário, e não pelo Executivo. 

"O grande sucesso da Itália é que a magistratura do Ministério Público, além da independência, ela tem todo o controle da atividade policial. E tem a possibilidade de investigar e de buscar as autorias e materialidade dos crimes independentemente", disse. No Brasil, as atribuições de polícia judiciária são da competência das polícias Civil, subordinadas ao Poder Executivo dos Estados, e da Federal, comandada pelo Executivo Federal. 

O juiz atuou nos anos 1980 e 1990 ao lado do magistrado Giovanni Falcone, morto no ano de 1992, em atentado da máfia siciliana. Ele participou da Operação Mãos Limpas, que debilitou a máfia italiana e fez entrar em colapso um esquema de fraudes no sistema partidário do país. Também foi o responsável pela sentença dada a Giulio Andreotti, sete vezes primeiro ministro da Itália, condenado a 24 anos de prisão por cumplicidade com a máfia. 

Scarpinato citou como fatores importantes no combate ao crime organizado na Itália a criação de um corpo de magistrados e de uma polícia altamente especializados em organizações criminosas do tipo máfia, assim como a elaboração de uma legislação apropriada para enfrentar o fenômeno mafioso. 

"Não se pode combater o crime organizado com as mesmas leis e as mesmas regras que valem para uma associação deliquencial simples, como quadrilhas e bandos, por exemplo. Para se combater um cancro, não se pode usar o mesmo remédio para se combater um problema estomacal comum", comparou. 

Há um artigo específico na legislação italiana para associações criminosas, de matriz mafiosa. A pena mínima é de 20 anos de prisão. O regime de detenção de membros do crime organizado na Itália também é diferenciado. Segundo o magistrado, não há visitas íntimas e o contato com o mundo exterior ao presídio é reduzido. Todas as conversas entre presos e visitas, com exceção dos diálogos com os advogados, são gravadas. 

"Não bastava só condenar um mafioso à privação de liberdade. Um membro de uma organização mafiosa potente continuaria a enviar mensagens à sua organização de modo a continuar a comandar o crime", afirmou. 

Scarpinato destacou ainda a atuação da sociedade civil no combate ao crime organizado na Itália. O magistrado exemplifica que a Associação Comercial italiana passou a excluir dos seus quadros os empresários que não denunciam a máfia, e pagam as taxas exigidas para a proteção mafiosa. 

Também a opinião pública, de acordo com o juiz, teve papel fundamental para pressionar o governo italiano a não deixar sem proteção os magistrados que combatem o crime organizado. "O ministro do interior do governo anterior, que é o ministro da Segurança Pública, preparou um ato para tirar a escolta de alguns juizes. Houve grande pressão em contrário da opinião da pública, e ele teve que mudar de posição. O povo se revoltaria e não aceitaria nunca, e faria pressões ao saber que um magistrado ficou sem escolta. Um crime como o da juíza Patrícia Acioli seria inaceitável hoje na Itália", disse. 

O assassinato de autoria do crime organizado ocorreu na noite do dia 11 de agosto. A juíza foi executada a tiros em frente ao condomínio onde morava, em Niterói, Rio de Janeiro. 

FONTE: PORTAL TERRA 

Assembleia quer outra Delegacia Regional da Policia Civil em Montes Claros

Audiência..1 300x225 Assembleia quer outra Delegacia Regional da Policia Civil em Montes Claros
A Comissão de Segurança Pública da Assembleia de Minas Gerais aprovou ontem o encaminhamento de ofício à Secretario de Defesa Social, Lafaiete Andrada e ao Delegado Chefe da Polícia Civil, Jairo Lelis, pedindo providências para a instalação de mais uma Delegacia Regional de Polícia Civil em Montes Claros, uma das demandas apontadas na audiência pública realizada na cidade no dia 25 de outubro, a pedido do deputado Tadeu Martins Leite.

 Soluções apontadas durante audiência Pública de Segurança em Montes Claros estão sendo encaminhadas ao Governo.

A máscara está caindo: Investimento em segurança cai e violência avança em Minas

Estudo aponta precariedade de dados sobre segurança em Minas e indica criminalidade em alta e menos gastos com policiamento entre 2009 e 2010. Secretaria atribui a municípios falha no envio de informações

Paula Sarapu Publicação: 26/11/2011 06:00 Atualização: 26/11/2011 07:03 ESTADO DE MINAS


Operação da PM na capital: levantamento demonstra que, enquanto diminuem recursos para ações de vigilância, crescem crimes como tráfico de drogas e  porte ilegal de armas (Maria Tereza Correia/EM/D.A Press %u2013 14/6/11)
Operação da PM na capital: levantamento demonstra que, enquanto diminuem recursos para ações de vigilância, crescem crimes como tráfico de drogas e porte ilegal de armas

Investimento reduzido e descompasso no tratamento de índices de criminalidade apontam para um futuro preocupante em Minas no que diz respeito à segurança. O Anuário Brasileiro de Segurança Pública, segundo especialistas, indica que a capacidade de análise de dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) ficou comprometida, devido a um sistema de boletim integrado que funciona mal, o que pode prejudicar a definição de metas e o planejamento conjunto de políticas públicas.

O estudo produzido pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, em parceria com o Ministério da Justiça, aponta aumento de 20% nos homicídios dolosos (com intenção de matar), que passaram de 1.998, em 2009, para 2.396, em 2010. Nos gastos com segurança, indica que o estado investiu 26,8% a menos em policiamento em 2010, se comparado com o ano anterior, e 57% a menos em Defesa Civil, na mesma comparação.

Em nota divulgada nessa sexta-feira, a  Seds informou que a divergência de dados sobre criminalidade ocorreu porque nem todos os municípios mineiros encaminharam seus números ao Sistema Nacional de Estatísticas de Polícia e Justiça Criminal . Segundo a secretaria, cada polícia envia seus dados separadamente, por cidade. Este ano, sustenta, houve mudança na metodologia na coleta do fórum, determinando que todos os municípios encaminhassem seus números (até então, participavam somente cidades com mais de 100 mil habitantes, das quais 26 em Minas). De acordo com a Seds, os municípios com população inferior a esse limite tinham os dados agrupados e tiveram que lançar as informações individualmente, o que atrasou o processo.

Sobre o aumento nos homicídios dolosos, a pasta diz que o dado se refere aos casos em que houve intenção de matar e que, no geral, os índices de homicídio apresentam queda de 7,3%. Em relação aos gastos com segurança pública, a Seds ressalta que o estado foi o que mais investiu, depois de São Paulo, e que o corte nos valores de policiamento “representa apenas uma repartição estratégica do orçamento”.

Tendência


Outro desafio para o estado demonstrado no estudo federal são as ocorrências de tráfico de drogas, com aumento de quase 40%, chegando a 15.112 em 2010, 4.270 a mais que no ano anterior. A tendência se repete no crime de porte ilegal de armas, que registrou aumento de 38% (1.648 em 2009 ante 2.289 em 2010). Nos crimes contra o patrimônio, o levantamento aponta crescimento de 7,5% nas ocorrências de roubo, que passaram de 21.260 em 2009 para 22.868 no ano passado, um discreto aumento nos casos de assalto a banco e queda de 6% no roubo de veículos. Contudo, o estado não informa dados como o número de ocorrências de latrocínio (roubo seguido de morte), crimes violentos intencionais, lesão corporal e homicídio culposo no trânsito, por exemplo.

O anuário declara que os dados de Minas Gerais correspondem à média de 74% daqueles oficialmente publicados pelo governo. Na apresentação do relatório, o secretário executivo do fórum, Renato Sérgio de Lima, afirma que o estado tem “informações precárias em termos de qualidade e fidedignidade” e que “há um forte descompasso de fontes que precisa ser equacionado”. Para ele, isso compromete os investimento no setor e a organização do  sistema de Justiça e defesa social.

O estudo também divulga os investimentos do governo mineiro na área de segurança pública. Os gastos com policiamento foram de R$ 195,2 milhões ano passado. Bem menos que em 2009, quando esse valor ultrapassou R$ 266,7 milhões. A Secretaria de Estado de Defesa Social até ampliou em 5% os investimentos em informação e inteligência, totalizando R$ 13,7 milhões ano passado. Mas, em áreas como a Defesa Civil, os gastos do governo foram drasticamente cortados em mais da metade: em 2009, foram R$ 50,3 milhões; em 2010, R$ 21,6 milhões.

Falha em sistema vira desafio

A precariedade de dados relativos à segurança pública não é um problema apenas para identificar situações que já ocorreram, mas pode também trazer problemas para o futuro do setor. Na opinião do coordenador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp) da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Cláudio Beato, Minas Gerais está sem “instruções de voo”, o que, para ele, causa impactos na rota da segurança. O especialista diz que o estado já foi referência na América Latina na organização de dados e análise criminal, mas o atual sistema é falho.

“Fiquei preocupado com o anuário e os resultados mineiros. O sistema de unificação das ocorrências teve problemas de implantação que ainda não foram sanados, no que se refere a organização, coleta e análise. Do ponto de vista de gestão, a informação ficou descuidada e de dois anos para cá perdemos a capacidade de entender os dados para fazer um diagnóstico correto. Há uma situação de divergência entre as polícias e o sistema não classifica corretamente os crimes. Parece que não se sabe o que está acontecendo e, diante disso, os indicativos de criminalidade podem começar a crescer. É como voar no escuro, sem os instrumentos de voo necessários para traçar a rota.”

Ciclo

Para Robson Sávio, do Núcleo de Estudos Sociopolíticos da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas) e integrante do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a falha nas informações atinge diretamente a confiança da sociedade. Ele também afirma que Minas corre o risco de cair novamente no ciclo do aumento da criminalidade.

“Minas deixou de enviar dados em quatro importantes grupos de análise criminal e o próprio anuário mostrou que 65% dos entrevistados no estado têm uma confiança baixa no Judiciário e nas polícias. Com os problemas de produção e divulgação dos dados e a falta de transparência das informações, o cenário fica muito ruim e isso passa desconfiança em relação à segurança pública”, diz o especialista, “Sem dados nem informações para comparar, fica difícil até mesmo saber se as incidências criminais caíram ou aumentaram. Um detalhe que me preocupa é o dado referente ao tráfico em Minas, que se mostra polo nacional de distribuição de drogas e merece atenção especial das autoridades”, completa Robson Sávio.

Mulheres


Nessa sexta-feira, a Secretaria Especial de Proteção à Mulher da Presidência da República divulgou balanço da procura para o Ligue 180, um serviço de atendimento à mulher que esclarece informações da Lei Maria da Penha e também registra relatos de violência física, psicológica e sexual, por exemplo. De janeiro a outubro, foram 530.542 ligações. São Paulo é o líder do ranking nacional, com um terço dos atendimentos. Minas Gerais aparece na quarta posição, com 40.983 ligações, atrás dos estados da Bahia e Rio de Janeiro.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

PCMG: Quatro são presos suspeitos de matar agente penitenciário




MGTV 1ª Edição

Polícia Civil estoura depósito de drogas


25/11/2011 -  Juiz de Fora
 
A Polícia Civil estourou ontem uma casa que servia como depósito de droga, no Monte Castelo, Zona Norte. No local, na Rua Coronel Quintão, os policiais da 3ª Delegacia apreenderam cerca de um quilo de pasta base de cocaína, escondida debaixo da pia, além de três balanças de precisão. No momento da ação, não havia pessoas no interior do imóvel, mas o proprietário já teria sido identificado e será intimado a prestar esclarecimentos. De acordo com os investigadores, a quantidade de pasta base seria suficiente para preparar cinco quilos de cocaína, após o refino..
 

ANGELÂNDIA: PLANTAÇÃO DE MACONHA É ENCONTRADA PELA POLÍCIA CIVIL

A Polícia Civil de Capelinha apreendeu na tarde dessa terça feira, (22/11/11) oitenta e cinco  pés de maconha na Comunidade conhecida como Grota Escura, no Município de Angelândia MG, Alto Jequitinhonha, que fica a 35 KM de Capelinha MG.
Foto meramente ilustrativa
O responsável pela plantação foi preso em flagrante em sua casa na Cidade de Angelândia, não reagindo a prisão.

Fonte: Blog Capelinha MG, via Porta Aranãs

Blog do Jequi - Leia Mais: http://blogdojequi.blogspot.com/2011/11/angelandia-plantacao-de-maconha-e.html#ixzz1ej1kUDf0

http://blogdojequi.blogspot.com/

PCMG: Suspeito de matar dono do Faleiro nega crime


Luana Cruz -Fátima de Oliveira - Aqui Publicação: 24/11/2011 12:03 Atualização: 24/11/2011 15:58

Jonatha Henrique tem histórico de tráfico de drogas e agora vai responder por homicídio (Jair Amaral/EM DA Press)
Jonatha Henrique tem histórico de tráfico de drogas e agora vai responder por homicídio

O homem acusado de matar o empresário Antônio Faleiro Filho, de 53 anos, dono do Buffet Faleiro foi apresentado pela Polícia Civil nesta quinta-feira, mas negou o crime. O assassinato aconteceu no dia 4 de março deste ano quando o empresario levava mais de R$ 60 mil no seu Toyota Fielder para o pagamento de funcionários. Dois assaltantes em uma moto abordaram Faleiro, no Bairro Califórnia, e o garupeiro atirou na vítima.

Como os bandidos não levaram nada, a polícia desconfiou de execução o saidinha de banco, mas as investigações apontaram para um assalto planejado. Segundo a polícia, Jonatha Henrique Calazans Cunha, o “Dondon”, 21, é traficantes de drogas e precisava de dinheiro para pagar dívidas. Ele e o comparsa Samuel Vitor Lima Costa, o “Teves”, 20, teriam recebido informações de dentro do buffet para planejar o assalto.

No momento do crime, o empresário percebeu que estava sendo seguido, o que pode ter atrapalhado a ação da dupla. Samuel pilotava a moto e Jonatha foi quem atirou em Faleiro. Mesmo baleado, a vítima correu para dentro da empresa, mas não resistiu aos ferimentos.